Sunday, January 03, 2010

16 º Encontro Machosi





Pelo 16º ano consecutivo aconteceu a 31 de Dezembro, o famoso encontro/almoço Machosi, uma organização já com 16 anos com sede na cidade da Praia da Vitória.

Este ano, como em outros, com alguns ilustres ausentes, mas sempre com o mesmo espírito e garra.
Desta vez as novas tecnologias sobrepuseram-se aos já ultrapassados telemóveis e autorádios, com o T. Silveira a chefiar uma equipa de operacionais, que não deixaram nada ao acaso.
Sem dúvida que a este ritmo, ninguém conseguirá parar os Machosi, agora que temos cada vez mais autonomia e mobilidade.
Um abraço!

7 comments:

Berto Cabral said...

Caro amigo,

Se me é permitido, gostaria de fazer um pouco de história relativamente ao nosso almoço.

Tudo começou em 1994 quando um grupo de jovens amigos praienses, ao verificarem que não iriam passar o ano juntos, decidiram marcar um almoço de forma a conviverem um pouco no último dia do ano.

O almoço desse ano foi no Restaurante Garça (onde voltaria a realizar-se). Outros tiveram lugar na Casa de Pasto Aguiar, no Restaurante do Clube de Sargentos, na Casa de Pasto Sousa, no Neptuno, no Xanadú, no Dom Brazas, no Jorge dos Oficiais (2x), no Galanta's, no Clube Naval da Praia da Vitória, na Tasquinha, no Mira Mar e no Caravela. Confesso que a minha memória está a atraiçoar-me, pelo que não me estou a lembrar do local de uma das edições.

É também importante salientar que com o passar dos anos e com as mudanças que se foram dando nas vidas de todos nós, alguns dos nossos convivas nem sempre podem estar presentes, não abdicando porém de um telefonema à hora do almoço para falar com os elementos presentes no almoço.

Este ano, e por força da evolução tecnológica, mas também da imaginação do Tiago Silveira, foi possível falarmos com o Márcio Damião que se encontrava no continente via webcam. Recebemos também telefonemas do Dario Barbeito que se encontra em Cabo Verde a trabalhar e do Pedro Moniz que estava em Vila do Conde.

Os elementos do grupo desde a primeira hora são: Alvarino Pinheiro, Cesário Meneses, Nuno Silveira, Tiago Silveira, Ricardo Toste, Nuno Cabral, Berto Cabral, Luís Sousa (Canon), Pedro Moniz, Carlos Rocha, Márcio Damião (Boogy), Filipe Oliveira e Filipe Ferreira.

No entanto, e até à constituição final do grupo, passaram também pelos encontros Machosi o Marco Mouro (Engenheiro), o Flávio Romão, o José Manuel Silveira, o Roberto Sousa (Esponja), o Roberto Rico (Baja), o Miguel Cabral e o Carlos Manuel (Pulga).

O Pedro Soares, apesar de não ter participado nas 1ªs edições, viria a fazer parte do grupo até aos dias de hoje.

Espero não me ter esquecido de ninguém. Se tal aconteceu, fica aqui o meu pedido de desculpas, mas é que a memória já não é o que que era...

Uma pequena piada relacionada com o almoço: este que foi desde sempre um almoço de Machos(i) teve na sua 1ª edição a presença de duas meninas: a Lisa e a Sofia Cardoso por convite dos Silveiras. Relembro que tinhamos todos à volta dos 17/18 anos e que a força das hormonas era muito forte...

Na 1ª edição ainda houve uns malucos que foram dar um mergulhinho na Praia Grande antes do almoço.

Nos anos seguintes, após o almoço era obrigatória a ronda pelos cafés e tasquinhas da Praia. Não posso deixar de referir o habitual pratinho de queijo de São Jorge no Café Teresinha, o jogo de Dominó no Bar Vouga, os caramelos de nata e a bola de vinho de cheiro no João Gordo e a tormenta que muitos já levavam para a Passagem de Ano.

Hoje, por força do trabalho de uns, dos casamentos ( de uns mais do que de outros) e da idade de todos, perdeu-se a ronda das tasquinhas e o chegar a casa quase à hora do jantar, no entanto o almoço continua a ter a mesma importância e alegria de sempre.

Venha o próximo, venha o 17ª!

Um grande abraço e um grande 2010 para todos os MACHOSI's.

Nuno Silveira said...

A breve resenha histórica deixada aqui pelo nosso compadre Berto faz jus realmente ao que os Machosi representam para aqueles que dele fazem parte e acima de tudo á amizade que liga, quase incondicionalmente, um grupo de rapazes da Praia.
Efectivamente é mais ou menos assim que tem vindo a acontecer á já 16 anos. Contudo o Berto esqueceu-se de mencionar 1 aspecto que quanto a mim é também bastante importante.
Assim, é de não esquecer o nosso "Livro Machosi" onde todos os anos deixamos registado mais ou menos o que se passou durante o ano com as nossas vidas. O pessoal que casou, que teve filhos, que se candidatou a Presidente da Câmara, coisas assim.
É certo que o livro não tem os 16 anos, aliás não tenho bem em mente em que ano ele foi instituído, contudo a tradição de escrever alguma coisa, essa vem desde o ano primeiro. Começamos por escrever no papel que os restaurantes usam para cobrir as mesas, aquele que a gente normalmente não resiste a escrever e a rasgar e há mesmo quem o use para fazer bolinhas e atirar ao resto da malta que está na mesa. Depois de todo o pessoal presente ter escrito no papel, este fica na posse dos "Mordomos". Os "Mordomos", a semelhança dos mordomos dos impérios da nossa ilha, é que ficam responsáveis de organizar o almoço do ano seguinte e incubem-se de escolher o restaurante, a hora a que o almoço será, e de avisar todo o grupo. Os Mordomos são escolhidos por votação de todos e são dois.
Durante o ano esses mordomos ficam obrigados a guardar esse documento na sua posse e a sete chaves.
Aquando da implementação do livro passou-se a registar essa informação directamente no livro, contudo a regra não se alterou.
Chamou-se ao livro "Livro dos Machosi" e cada almoço é chamado de "Congresso Machosi", este ano foi o "XVI Congresso Machosi"
O mais fantástico é que, e acho que ninguém se apercebeu bem disso ainda, nós criamos um registo dos últimos 16 anos das nossas vidas. Se pegarmos no livro e quisermos, por exemplo saber o que se passou de mais importante em 1997, é pegar e ler o que foi escrito. Acreditem que a sensação é no mínimo nostálgica.
Agora imaginem daqui a 20 anos...
Um grande 2010 e a todos os Machosi um bem haja.

Nuno Silveira

Berto Cabral said...

Penso que o local do almoço que me faltou no outro comentário foi o Snack-bar Amazonas.

Também gostei muito da explicação do Nuno Silveira.

Apenas mais umas achegas: o livro foi instituído no 11º almoço, i. é, a assinalar os 10 anos de Congressos pelo nosso colega Pedro Moniz, no almoço na Tasquinha.

Recordo também que nesse ano houve a chamada Caixa do Tempo (penso que é assim que se chama, mais uma vez, se a memória não me falha) aonde cada um depositou um objecto seu. Esta só será aberta 10 anos depois.

Também nesse ano o Almoço teve por tema "O Anel". Noutra edição (no Neptuno) o tema foi "O Chapéu".


Oportunamente enviarei imagens de edições passadas para o Alvarino colocar no Bang Bang.

pfmoniz said...

Fiquei tão nostálgico a ler os "comments" que nada me apresto a acrescentar por ora.

Vou mas é abrir um tinto para aquecer (um pouco mais) a alma!

Abraços!!

Alvarino! said...

Um luxo, muito bem exposto!!
Mas falta sempre determinados pormenores, esperemos que o Pedro Moniz após provar o vinho tinto se decida a revelar alguns...
Se calhar essa garrafa deveria ir para cima da mesa, assim talvez algum Machosi se lembra-se de publicar mais algum comentário!!
Embora os até agora publicados não tenham características ébrias, aceitam-se a qualquer hora e estado manifestações de carácter aglutinador.
Ficamos aguardar o resultado da prova de vinhos, também dos restantes comentários e claro das fotos.

Nuno Silveira said...

Essa coisa de ter memória de elefante tem que se lhe diga, e é aqui que tiro o chápeu ao campadre Berto, e agradeço ele ter registado todos este promenores,é prova que o alomoço é realmente importante para o grupo.
Confesso que essa coisa de memória não é o meu forte, talvez seja da informática, não sei...
De facto o Berto tem razão e o grande impulsionador da implementação do Livro foi o Pedro.
Tambem não me lembrava da data e muito menos do restaurante.

Em relação aos temas, lembro que ainda consguimos fazer dois anos seguidos, mas acho que a partir daí nunca mais se falou em temas, não tenho bem a certeza e se estou engando deixo aqui o repto ao Berto a ver se ele se lembra. E é de facto pena não se ter continuado a brincadeira,porque dava um certo toque de originalidade ao gupo, se calhar era de se arranjar aí qualquer coisa que podessemos usar ou levar nos almoços futuros.
Estava tambem completamente esquecido da "Caixa do Tempo", e essa tem que se lhe diga, isto porque o seu conteudo guarda coisas que 10 anos depois ainda farão as delicias de muitos de nós, o Luis Canon que o diga. Mal posso esperar para a abrir...
Um Abraço
Nuno Silveira

Filipe said...

Depois das excelentes exposições dos nossos amigos historiadores Berto Cabral e Nuno Silveira, que mais há para dizer?
Talvez o significado de MACHOSI? Mas deverá ser divulgado para o público em geral o significado de MACHOSI ou mantido em segredo?
Acho bastante interessantes alguns dos rituais do almoço. Gosto particularmente das mensagens no livro Machosi. Já há bastantes anos que faço por cumprir um ritual só meu: faço questão de mandar sempre uma boca ao Rocha no livro MACHOSI ou pelo menos falar nele. Ganda Rocky que este ano casou!

Um abraço,
Filipe Falcão Oliveira