Wednesday, December 23, 2009

Encerrado para Férias


Este espaço irá estar parado durante esta quadra natalícia.
Durante este período tentaremos recolher material de qualidade e com alguma relevância para que seja possível entrar em força após a pausa que aí vem.
Crentes da vossa compreensão, desejamos sinceramente um Santo Natal e um Excelente 2010!
Um abraço!

Saturday, December 19, 2009

Next Tee

Controlado..., por vezes até demasiado.
Dentro do jogo, embora sem a "agressividade" necessária, um furo lento deixou nos fora do controle!
Deus decidiu não ir jogar, neste caso ainda bem.
Como sempre sem ressentimentos!

Déjà vu- "already seen"

Palavras incómodas mas verdadeiras

Na sequência do post anterior acerca dos equívocos do SLB, e para continuar, nada melhor que ouvir alguém que sabe o que diz, ora vejamos:

Manuel José, o selecionador nacional de Angola e antigo treinador do Benfica, não tem dúvidas quanto ao desfecho do clássico de domingo - o FC Porto é favorito. Na entrevista que concedeu ao Record e Antena 1, a ser publicada na edição deste domingo, Manuel José é muito crítico para com a equipa da Luz.

"Nos outros anos, o FC Porto quando teve de ganhar, ganhou e tudo indica que vai passar-se o mesmo desta vez. Este Benfica não é o das goleadas de início da época. Frente ao Olhanense deu mais uma manifestação de fragilidade mental, de falta de carácter competitivo, de uma equipa tensa, nervosa a assustada. O FC Porto andava a jogar condicionado pelo que o Benfica fazia, mas depois das vitórias em Guimarães e Madrid, inverteu as coisas e passou a ser o Benfica a ter medo do FC Porto."
In record.pt

Friday, December 18, 2009

shot gun 8h45

Vamos lá ver se amanhã dá para batê-las sólido, é que depois de uma semana de chuva o campo deve estar muito complicado, a juntar a isto estamos em notório défice em termos de ritmo competitivo!
Esperemos que Deus não decida ir jogar golfe amanhã, mas se for prometo não interferir no jogo dele, ética acima de tudo, especialmente se tens handicap 25.
Estou farto deste handicap, quero um handicap que se coadune com a realidade do meu Golfe, por esta ou por aquela razão, há sempre um campo em que entramos totalmente descontrolados numa passagem, e pronto, estamos fora.
Mas acreditamos no nosso trabalho, e apesar de muita gente não acreditar o golfe é um jogo justo, tira e dá na mesma medida, e acima de tudo não há "pão para malucos".
Vamos para cima delas como um Gentlemam, com jeitinho, e sem medos!

26 de Dezembro de 2009



A totalidade da receita do evento será canalizada para apoio a agregados atingidos pelas cheias de 15 de Dezembro


Mais informações em http://terceiragolf.inforalfa.pt/

Os Equívocos dos SLB

O Benfica na última década tem sido uma fonte de equívocos e um exemplo negativo de como se deve gerir um clube de Futebol.
Desde os dirigentes, passando pelos treinadores e jogadores, tudo é uma perfeita falta de sincronia e de profissionalismo.
Apesar das grandes contratações, o clube nunca encontrou o equilibrio, o profissionalismo e a estabilidade necessária ao sucesso, não ganha os jogos decisivos, os dirigentes falam demais, os jogadores não trabalham o suficiente, os treinadores não tem capacidade para construir um grupo de jogadores com espírito campeão, a juntar a tudo isto muitos dos adeptos estão á beira de um ataque de nervos.
Esta época embora com a melhor equipa desde 2003/2004, e depois de um ínicio de época entusiasmante, a equipa e o seu treinador começam a ter dificuldades em disfarçar as suas fragilidades, ora vejamos:
Perderam em Atenas, num jogo em que nunca conseguiram entrar na discussão do resultado, foram "bem" eliminados da Taça de Portugal em casa pelo Guimarães, não ganharam nem "jogaram" em Alvalade perante um Sporting de meio da tabela, perderam no decisivo jogo em Braga, empataram em olhão com o último classificado, a juntar a isto andaram aqui e ali à porrada.
O Jorge Jesus desde que perdeu em Braga ainda não conseguiu dizer uma frase que se salva-se antes e após os jogos, o homem parece anormal, que é o mestre da táctica dizo não duvido, agora no que toca a psicologia da comunicação e à gestão para o exterior e interior da dinâmica da equipa é um desastre.
Agora todos os dias contratam um jogador novo, para todas as posições, desde os 19 anos até aos 29, todos brasileiros, criando desiquilibrios emocionais e falhas de concentração nos objectivos específicos da equipa profissional.

( Continua...)

Benfica / Porto



Imagem: http://jorgejesusnobenfica.blogspot.com/

Imagem para os adeptos do FCP reflectirem durante estas horas que antecedem o clássico na Catedral do futebol português!!


Onze Benfiquista: Quim / Pereira / Luisão / David Luiz / Peixoto / Filipe Menezes / Garcia / Martins / Aimar / Saviola / Cardozo

Tuesday, December 15, 2009

Sunday, December 13, 2009

2ª Subida ao Pico do Capitão - Porto Martins


Foto: Porto das Pipas Press

Sábado dia 12 fui fazer a 2ª subida ao Pico do Capitão, no Porto Martins, prova organizada pelo Miguel Azevedo, inserida no programa de actividades da Associação Mar Bravo.
Foi uma maravilha, subi meio Pico, desci, depois com o numero 03, subi de vontade o bonito Pico do Capitão numa tarde com um tempo tipicamente açoriano.
O esforço feito aquando da subida é totalmente compensado à chegada com a excelente vista para o Porto Martins e Praia da Vitória, um espectáculo único.
Esta edição ficou marcada pela ausência dos habituais atletas de competição, situação explicada por algumas lesões por um lado, e por outro também devido à época do ano em que nos encontramos, foi pena porque tinha sido uma excelente oportunidade para um renhido e saudável despique.
Mesmo assim, sem dúvida que foi uma tarde muito bem passada, gostaria de lá voltar o mais depressa possível, assim, deixo aqui o desafio para uns treinos antes da 3ª edição da prova montanha, desde modo pretendo fazer diversas passagens com o objectivo de definir qual a melhor estratégia para melhorar o meu desempenho.
Quando quiserem ir subir outra vez, é só dizer, que eu arranco de imediato para o portão!

Saturday, December 12, 2009



As más previsões meteorológicas confirmaram-se, assim fica o Peru na "friza" até ao próximo Sábado 19.
Acontece!

Thursday, December 10, 2009

Torneio do Peru 2009



Depois do Torneio Modelo, vem aí o do Peru, depois de termos sacado um cabaz no Modelo (sorteio final), chegou a vez de tentarmos o Peru de Natal, com a certeza que através da classificação seria a melhor e primeira opção, se assim não for, aceitamos perfeitamente ser um dos premiados no sorteio final...
As condições atmosféricas não parecem ser as melhores, mas mesmo assim, está tudo em aberto para ao que parece será o último torneio de 2009!

Resultados

Friday, December 04, 2009

Wednesday, November 25, 2009

Lost - Temporada Final


Data de Estreia Confirmada

LOST irá estrear a sexta e última temporada na quinta-feira dia Dois de Fevereiro num evento de três horas. Similarmente aos anos anteriores a noite de estreia será constituída por um episódio resumo seguido de um episódio de duas horas.
Etiquetas: Notícias


postado por Lost In Portugal @ 11/19/2009 09:31:00 PM

Torneio do Modelo - CGIT



Resultados

Tuesday, November 24, 2009

Benfica : Ponto de Situação

O Sorteio da Taça da Liga ou "taça da cerveja",ganha no ultimo ano pelo Benfica, ditou que o FC Porto fica-se inserido no Grupo A, juntamente com Leixões, Estoril e Portimonense, que o Grupo B junta-se o Sporting, Sporting de Braga, União de Leiria e Trofense, e que o Benfica joga-se em casa com o Nacional, fora com o Vitória de Guimarães e em casa do Rio Ave.

Benfica na ressaca da eliminação da Taça de Portugal

Sem dúvida que o Glorioso têm uma difícil tarefa pela frente para que consiga este ano chegar à final da Taça da Liga Carslberg, depois de perdida a Taça de Portugal, no meio de um complicado calendário até ao Natal, só há uma saída que é ganhar, começando já sábado contra o Sporting de Carvalhal e Sá Pinto que vêm de uma Vitória contra os Pescadores de Costa da caparica, esperando pelo resultado conseguido pelo Porto que recebe o Rio Ave.

Monday, November 23, 2009

Divagações nas Navegações I

Uma coisa é certa, andam por aí uns "Boys"com grandes responsabilidades(leia-se ordenados)que estão completamente iludidos, na realidade esta "democracia" sujeita nos a esta fatalidade, os "iluminados" soldadinhos de chumbo do regime, que tem uma visão estúpida e catastrófica da realidade, pois acreditam que todo vai correr mto bem,acreditam num doce põr do sol, acrediam que não é necessário conceber uma estratégia ponderada, realista e séria ao nível da saúde, da economia e da educação.
Acreditam que ficaram ricos, acreditam nos euros e no betão, acreditam na bandeirinha e no desenvolvimento do crédito, também que os turistas são estúpidos e querem vir para os Açores passear em grandes marinas e imensas avenidas, e acima de tudo acreditam que amam os Açores, quando a sua maior paixão são eles mesmo, o que é de um mau gosto atroz, mas isso é coisa que não se discute!

É para começar já a rezar ??

Friday, November 20, 2009

Golfe: Ilha Terceira recebe Final do Expresso BPI 2009




Fotos: www.mediagolf.pt


Pela terceira vez nos últimos quatro anos, o Clube de Golfe da Ilha Terceira acolhe a Final Nacional do Expresso BPI Golfe. Em relação à última edição ali realizada, em 2007, houve algumas mudanças no campo, mas não em termos estruturais dos buracos. Alguns tees foram recuados, com o comprimento do campo, um par-72 (35-37), a passar de 5789 metros para 6000; e cortaram-se umas árvores, poucas, só para alargar as vistas e arejar os greens.

Sendo um circuito curto, requer concentração e domínio do princípio ao fim. Premeia a precisão nas saídas e exige arte e sorte no ataque aos greens, bem como redobrada leituras e tacto nos putts.

Links interessantes:

CG Terceira
Um clube especial como palco da Final


Fairways para todos
Terceira tem o golfe mais democrático do país

Tuesday, November 17, 2009

Jorge Jesus observa o próximo adversário do SLB


foto: abola.pt

Será que foi num dia como este que o Manuel Machado teve um desencontro com o treinador do Benfica, e conseguiu perceber todas aquelas características no JJ!?

Aquele gesto do 4 zero parece que é para repetir, agora com outros artistas, pelo menos Jesus está a trabalhar para isso, agora resta esperar para ver como é que o Benfica passa por esta parte da competição, Guimarães com novo treinador e para a taça, e claro Sporting em Alvalade com um treinador de meio da tabela mas que pode surpreender.

Ficar fora da Taça e perder com o Sporting é coisa que o treinador do Benfica não gostaria nada de engolir!
Os momentos que marcam as épocas desportivas estão a chegar, é agora que se definem os vencedores, não há margem de risco.
Vamos a ver!

Monday, November 16, 2009

Cuidado com a condução nas Estradas Militares!



Legenda:Estrada de acesso ao Campo de Golfe da Batalha em São Miguel
Ao conduzir numa estrada com características militares ( elevada, com significativa percentagem de cimento, altos níveis de humidade, e curvas cegas), devem manter a máxima atenção, não ultrapassar os limites de velocidade ( mesmo num Fiat Grande Punto de aluguer)e acima de tudo não subestimar a estrada e ter a máxima consideração pela opinião do pendura!!
Este Post é dedicado ao Cabral e ao Quadros, espero que assim compreendam o verdadeiro "significado", de : "Atenção isto é uma estrada militar"!!!

Plano Inclinado - A não perder - Domingos as 21H na SIC NOTICIAS

Novo programa da SIC Notícias, moderado por Mário Crespo, com Medina Carreira, Nuno Crato e João Duque.

Aqui está um programa em que vale a pena estar concentrado, a hora passa sem dar-mos por ela, é entusiasmante!!

1º Programa:

Friday, November 13, 2009

Este Blog também têm datas especiais - A nossa é hoje

Hoje batemos o nosso record pessoal no que diz respeito ao numero de actualizações por período de tempo, conseguimos publicar do dia 03 ao dia 13 de Novembro, 14 mensagens!
Um sucesso, e como parece que continuamos com vontade em publicar ainda mais...vamos assinalar este acontecimento desta forma, fazendo deste momento a nossa data especial!



Foto: bang bang you’re dead, by anaïs miller. / in nativeberlin .

Thursday, November 12, 2009

Wednesday, November 11, 2009

ROBERT ENKE 1977-2009





Robert Enke
Born: 24/8/77, Jena, East Germany
Debut: 1995-96
Clubs: Carl Zeiss Jena, Borussia Monchengladbach, Benfica, Barcelona, Fenerbahce, Tenerife, Hannover 96
Germany debut: 27/3/07 versus Denmark Caps: 8
Awards: Bundesliga goalkeeper of the season 2008-09

Tuesday, November 10, 2009

Cais de Cruzeiros na Ilha Terceira - Exposição de Paulo Monteiro




Texto(carta) Retirado daqui.

Carta Aberta a Carlos César, Presidente do Governo Regional dos
Açores sobre a localização do Terminal de Cruzeiros da Ilha Terceira


Ponta Delgada, 22 Out (Lusa) - O presidente do Governo Regional dos Açores, Carlos César, reafirmou hoje que o Terminal de Cruzeiros da Terceira será construído em Angra do Heroísmo, rejeitando a existência de qualquer polémica envolvendo o vizinho concelho da Praia da Vitória.
"A polémica não existe. A opção do Governo regional está tomada e a localização decidida, o Terminal de Cruzeiros da Terceira será construído junto ao Porto das Pipas, em Angra do Heroísmo", afirmou Carlos César.
O presidente do Executivo regional, que falava aos jornalistas em Ponta Delgada, frisou que "não há qualquer dúvida sobre esta matéria".






Ex.mo. Sr. Presidente do Governo Regional dos Açores


Tomo a liberdade de lhe escrever esta carta aberta que, aposto, o surpreenderá tanto quanto a mim me surpreende ter que a escrever – confesso que, quando cheguei a casa, esta tarde, estava muito longe de pensar que ainda aqui estaria, noite fora, a alinhavar estas linhas que se seguem.


Afinal, não poderia ficar em paz comigo mesmo, hoje, especialmente hoje, depois de ter lido na Lusa as declarações que fez sobre a localização do Terminal de Cruzeiros da Terceira. De acordo consigo, e a acreditar no que transcreve o jornal, “a opção do Governo regional está tomada e a localização decidida, o Terminal de Cruzeiros da Terceira será construído junto ao Porto das Pipas, em Angra do Heroísmo".


Ora, justamente, a baía de Angra do Heroísmo, serviu - e passo a citar um decreto regional da autoria do seu Governo (DRR nº 20/2005/A, de 20/10/2005) “durante mais de quatro séculos, como um dos principais portos dos Açores e como ponto de escala e apoio durante o período de descobertas do Oriente e Novo Mundo, sendo por isso considerada de grande importância histórica. Naturalmente abrigado de quase todos os quadrantes e quase desprovido de baixios perigosos, foi local de escala de navios provindos das Índias Orientais, da costa africana e do Brasil e de embarcações oriundas do Novo Mundo, que, a pedido da coroa de Castela, aqui procuravam protecção militar.


Dois dos maiores perigos deste porto e do seu ancoradouro eram o recife submerso localizado no prolongamento da ponta de São Sebastião e a ocorrência de ventos fortes do quadrante sul-sueste. A presença de navios à vela no interior desta baía fechada conduzia facilmente ao desastre sempre que os ventos não eram favoráveis. A restinga conhecida por Baixio das Águas foi responsável por cerca de uma quinzena de naufrágios, tendo todos sido ocasionados pelo denominado Vento Carpinteiro, assim chamado por fazer arrojar contra a costa madeira dos navios, que era posteriormente usada na construção de edifícios da cidade. 


As referências históricas dão conta que a invernia era fatal para os navios que escalavam Angra, uma vez que a força das tempestades era tão grande que, por mais resistentes que fossem os cabos de âncora das embarcações, estas rapidamente se transformavam em naufrágios. Também, de acordo com os dados históricos, se verifica a ocorrência de pelo menos 74 naufrágios desde 1552 até 1996.


A grande maioria destes naufrágios ainda não se encontra localizada, conhecendo-se, até à data, 13 sítios arqueológicos no interior da baía de Angra. Dois deles apresentam excelentes condições para ser explorados do ponto de vista turístico, uma vez que possuem características geoculturais de grande interesse do ponto de vista museográfico.“


Fim de citação.


Presumo que esta importância histórica e arqueológica da baía de Angra – a de ser “um conjunto de sítios arqueológicos de interesse regional e nacional, resultantes dos diversos naufrágios ocorridos ao longo da história, integrado num território envolvente marcado de forma significativa pela intervenção humana passada, território esse que integra e dá significado ao monumento, sítio ou conjunto de sítios, e cujo ordenamento e gestão devam ser determinados pela necessidade de garantir a preservação dos testemunhos arqueológicos aí existentes” (um nítido desenvolvimento da lei 107/2001, que estabelece as bases da política e do regime de protecção e valorização do património cultural) - tenha sido o motivo pelo qual o seu Governo decretou, em 2005, a criação do Parque Arqueológico Subaquático da Baía de Angra.


Na altura, o seu Governo considerou que havia “a necessidade de garantir a preservação, o estudo e a fruição dos testemunhos arqueológicos aí existentes” e que a “promoção do turismo cultural poderia ampliar o conhecimento da história náutica e do turismo subaquático dos Açores”. Assim sendo, impôs como limites desse Parque “a linha de costa entre a Ponta do Farol, a sul do Monte Brasil e a baía das Águas, a leste do Forte de São Sebastião”.


Ora, lê-se e não se compreende – como é que se vai implantar um Terminal de Cruzeiros dentro de um Parque Arqueológico tanto mais que (ainda em desenvolvimento da lei 107/2001) o seu Governo fez alterar o Decreto Legislativo Regional n.º 27/2004/A, de 24 de Agosto, aditando (pelo DLR 8/2006/A) que são “proibidas nos parques arqueológicos as obras que possam ter efeitos intrusivos e perturbadores nos vestígios arqueológicos e ou do seu meio envolvente, que alterem a sua topografia, tais como obras de construção civil, ampliação ou demolição de edificações e muros, salvo em trabalhos de simples conservação e restauro ou limpeza, deposição de sedimentos, inertes ou quaisquer outros elementos, alterações do coberto vegetal, alterações da morfologia do solo; bem como escavações, dragagens e aterros, depósitos de sucata, areias ou outros resíduos sólidos que causem impacte visual negativo ou que poluam o solo, o ar ou a água”? 


Das duas, uma: ou o Terminal de Cruzeiro vai ficar fora dos limites do Parque Arqueológico (quiçá erigindo-se como uma ilha, ao largo, a emparelhar com o ilhéu das Cabras) ou então, sendo ilegais dentro do Parque quaisquer obras e dragagens, será o mesmo executado sob a forma de um insuflável, talvez ligado por amarras a terra, a alguns cabeçotes que se implantem no porto das Pipas… isto, claro, sou eu a divagar, eu, que nada percebo de engenharia hidráulica mas que falho em ver como se poderá conciliar este seu anúncio com os decretos que V. Exa. mandou – e muito bem – publicar em 2005 e 2006.


Em todo o caso, preocupo-me. E é por isso que lhe escrevo, na qualidade de cidadão. De cidadão que viveu, estudou e leccionou nos Açores durante onze anos da sua vida e que, veja lá como são as coisas, até contribuiu com o seu voto para a sua primeira eleição, para o cargo que ocupa ainda hoje. Mas, mais do que cidadão, escrevo-lhe como amigo dos Açores e dos açorianos e também como técnico de arqueologia, como primeiro autor da Carta Arqueológica Subaquática dos Açores e como um dos três co-coordenadores responsáveis pela implementação dos planos de prospecção e escavação arqueológica subaquática da baía de Angra do Heroísmo, no já longínquo ano de 1998.


Sim, eu sei que se passaram quase treze anos desde a última vez que nos encontrámos presencialmente num dos seus Conselhos de Governo, em Angra do Heroísmo, mas descanse – não lhe vou agora (embora devesse) cobrar a promessa que nos fez em como os dois naufrágios seiscentistas encontrados nessa baía aquando do processo de construção da marina da cidade seriam estudados e salvaguardados cientificamente. Nem sequer irei mencionar (outra vez) em público a forma vergonhosa como a Região Autónoma dos Açores deixa apodrecer há mais de onze anos um dos mais importantes e dos mais bem preservados (à altura) navios ibéricos até agora encontrados à escala mundial.


Nem sequer irei colocar em causa o porquê da construção de um terminal de cruzeiros no porto de Angra do Heroísmo, em total desconformidade com os princípios da economia, da eficiência e da eficácia, quando tem o porto oceânico da Praia da Vitória, de águas profundas, a menos de 20 km de distância. Nem lhe irei relembrar o quão acanhado e pouco profundo é o porto de Angra nem sequer a história do navio Run’Her que lá naufragou em 1864, exactamente por ter calado a mais para o fundo que demandava, numa sucessão de desaires que, a crer num jornal local, mais não foram do que “africanadas que custam caro aos donos dos navios e que podem desacreditar o porto”.


Não, não irei aqui discutir consigo a bondade técnica da solução que encontrou – julgo que estará na posse de muitos e variegados estudos, muito bem fundamentados do ponto de vista técnico, estudos esses que o ajudaram a tomar essa decisão.

Do que lhe venho falar aqui, senhor Presidente, é da minha profunda desilusão para com a sua política cultural, que tanto mal está a fazer a esse bem, único no mundo, que é o património cultural subaquático dos Açores e que o levou a apontar a mira a Angra para, novamente, lá se colocar betão no fundo do mar.


Sim, eu sei que publicou o DLR nº 27/2004/A, de 24/08/04, regulamentando a arqueologia subaquática, “enquadrando-a numa filosofia de política de prevenção, salvamento, investigação e apoio à gestão do património cultural subaquático”e onde até identificou “a multiplicação dos grandes planos de ordenamento” como uma ameaça de destruição do património arqueológico. E que fez publicar os decretos regionais acima descritos, criando o Parque Arqueológico da Baía de Angra. Por tal clarividência, dou-lhe os parabéns. Atrasados, mas não menos merecidos.


No entanto, o quão mais gostaria eu de lhe poder escrever, a congratulá-lo por ter levado à letra a Constituição Portuguesa, que diz ser tarefa fundamental do Estado “proteger e valorizar o património cultural do povo português” de modo a “promover a salvaguarda e a valorização” desde mesmo património, de modo a torná-lo “elemento vivificador da identidade cultural comum.”


Ou de o apoiar, com grande entusiasmo, por verificar que os Açores tinham lido à letra o Livro Verde da Comissão das Comunidades Europeias para uma Futura Política Marítima da União e que estavam a “utilizar fundos comunitários“ de forma a erigir as instituições necessárias para a preservação do seu património marítimo” ou que continuavam com assinalável vigor o esforço, iniciado há mais de quinze anos atrás, para elaborar “um inventário dos sítios arqueológicos submarinos”.


Quereria até cumprimentá-lo por estar a cumprir com a Estratégia Nacional para o Mar (DR 1ª série, nº237, de 12/12/2006), por estar a levar a cabo uma das suas acções estratégicas, “a promoção da valorização e preservação do património cultural subaquático arqueológico e histórico, incentivando o estudo dos aspectos sócio-culturais das actividades relacionadas com o mar, bem como a preservação em museus da especialidade de testemunhos históricos, arqueológicos e culturais relevantes.”


Mas, debalde. Ambos sabemos, infelizmente, que, apesar de todo o fantástico potencial que as ilhas têm para ser um dos territórios de excelência, a nível mundial, no âmbito da investigação arqueológica subaquática, ainda muitos anos e governos regionais terão que passar antes que esse potencial se verifique e se concretize.


Longe vão os anos em que os Açores enfrentaram com êxito os interesses poderosos dos caçadores de tesouros, nomeadamente pela mão de Directores Regionais da Cultura tão interessados e eficazes quanto Manuel Duarte e Luiz Fagundes Duarte (não tão longe vai o ano em que enviei à vossa Direcção Regional de Cultura todo o meu acervo textual e fotográfico relativo à arqueologia subaquática dos Açores e que ainda hoje estou para saber se foi recebido, se ficou algures perdido, ou se foi “arquivado” até às calendas gregas).

Mas voltando ao que me trouxe aqui, hoje. Este anúncio – o de, mais uma vez, se ir alterar, modificar, dragar, enrocar e cimentar a frente marítima de uma cidade que é Património Mundial – é a prova provada de quão irrelevante é, para esse Governo, o facto de Portugal ter ratificado quer a Convenção Europeia para a Protecção do Património Arqueológico (revista), quer Convenção sobre a Protecção do Património Cultural Subaquático (aprovada pela UNESCO e que entrou em vigor em Janeiro passado para os Estados Parte, nos quais se inclui o nosso país).


Com efeito, sabendo-se que naquela área diminuta há comprovadamente dezenas de naufrágios históricos, nunca o Governo Regional procurou, quer neste processo, quer no da marina de Angra, conciliar e articular as necessidades respectivamente da arqueologia e do ordenamento do território, garantindo, assim, aos arqueólogos a possibilidade de participarem nas políticas de planeamento de modo a estabelecer estratégias equilibradas de protecção, de conservação e valorização destes locais, com interesse arqueológico. Quase nunca o Governo atribuiu tempo e meios suficientes para se efectuar um estudo científico conveniente destes sítios arqueológicos, com publicação dos resultados, nem garantiu que os estudos de impacte ambiental e as decisões deles resultantes tivessem em conta esses mesmos sítios e o respectivo contexto.


Na verdade, as acções que resultaram em actos arqueológicos de relevo fizeram-se sempre a contragosto e sempre de má vontade. Relembro que, depois de mais de um ano à espera que fosse aprovado pelo Governo de V. Exa. o plano de intervenção arqueológica que apresentei, com urgência, a seu pedido, foi preciso ao Ministro da Cultura de então, Manuel Maria Carrilho, embargar a obra da marina – que começara “inopinadamente” - por três meses para que a arqueologia se fizesse, como era obrigação legal fazer-se, com todos os contratempos contratuais, financeiros e temporais (para não falar da criação, por parte da sociedade civil, de anticorpos contra a arqueologia subaquática açoriana) que tal acarretou.


Assim, sendo, e tendo ainda bem presente toda a “trapalhada” que foi o caso da marina – em que primeiro se dizia não haver naufrágios na zona; e que depois, quando encontrámos três naufrágios precisamente no alinhamento do futuro molhe, se veio dizer que eram traineiras da década de 50; e que ainda depois ficou toda a gente com as mãos na cabeça quando se apercebeu que havia legislação e que ela era para se cumprir – também neste caso, o deste Terminal sobre o qual V. Exa. não tem dúvidas vir a ser construído na baía de Angra, deixe-me recordá-lo de alguns factos.


Em primeiro lugar, preconiza o DL 107/2001 que “constituem particulares deveres da Administração Pública competente no domínio do licenciamento e autorização de operações urbanísticas, o certificar-se de que os trabalhos por si autorizados, que envolvam transformação de solos, revolvimento ou remoção de terreno no solo, subsolo ou nos meios subaquáticos, bem como a demolição ou modificação de construções, estão em conformidade com a legislação sobre a salvaguarda do património arqueológico”, devendo para tanto “dotar-se de meios humanos e técnicos necessários no domínio da arqueologia ou recorrer a eles sempre que necessário”.

Ainda de acordo com a mesma lei (que não existia, infelizmente, em 1998) “os serviços da administração do património cultural condicionarão a prossecução de quaisquer obras à adopção pelos respectivos promotores, junto das autoridades competentes, das alterações ao projecto aprovado capazes de garantir a conservação, total ou parcial, das estruturas arqueológicas descobertas no decurso dos trabalhos”, ficando os “promotores das obras obrigados a suportar, por meio das entidades competentes, os custos das operações de arqueologia preventiva e de salvamento tornadas necessárias pela realização dos seus projectos. No caso de grandes empreendimentos públicos ou privados que envolvam significativa transformação da topografia ou paisagem, bem como do leito ou subsolo de águas interiores ou territoriais, quaisquer intervenções arqueológicas necessárias deverão ser integralmente financiadas pelo respectivo promotor.”


Já a Convenção sobre a Protecção do Património Cultural Subaquático diz que os “Estados Partes deverão preservar o património cultural subaquático em benefício da humanidade”, com a preservação in situ a ser “considerada opção prioritária antes de ser autorizada ou iniciada qualquer intervenção sobre o património. Consequentemente, as intervenções sobre o património cultural subaquático só deverão ser autorizadas se o procedimento for compatível com a protecção desse património e só poderão ser autorizadas se, sujeitas a tal requisito, contribuírem igualmente, de forma significativa, para a protecção, o conhecimento ou a valorização desse património.”


Mais. Lendo o Plano Regional Anual para 2009 (DLR 7/2009/A), presumo que parte das verbas destinadas a este projecto de construção do Terminal de Cruzeiros do porto de Angra do Heroísmo bem como para o reforço do enrocamento de protecção exterior do porto das Pipas provenha da Comunidade Europeia, através do FEDER/Proconvergência (no qual, note-se de passagem, não considerou importante o Governo dos Açores inscrever qualquer acção no plano arqueológico num dos seus objectivos prioritários (a valorização do património cultural - O.E. 2.2 Eixo Prioritário II).


Ora, receber verbas comunitárias implica aceitar regras comunitárias – nomeadamente implica que as operações inscritas no FEDER, para efeitos de aceitação, devem não só cumprir os normativos nacionais e comunitários, em particular em matéria de ambiente, igualdade de oportunidades, concorrência e contratação pública, como também estar conformes com a legislação nacional e comunitária identificada e que lhes seja aplicável, podendo o contrato de financiamento ser objecto de rescisão unilateral em caso de não cumprimento das obrigações legais do beneficiário.


Parafraseando-o: eu não duvido que, promovendo V. Exa. o que deve promover legalmente – um estudo sério e rigoroso de avaliação de impacte ambiental que contemple a vertente arqueológica subaquática – saiam de debaixo daquela restinga meia dúzia de naufrágios históricos.  


Não duvido também que, fazendo o que tem a fazer no quadro da legislação comunitária, nacional e regional em vigor – promover o estudo atempado e bem financiado desses mesmos naufrágios – os custos financeiros, culturais e patrimoniais irão disparar (ou, como sói dizer-se nos nossos meios económicos, irão “derrapar” significativamente).


Dando de barato que é inconciliável a construção desse Terminal com a legislação que o seu próprio Governo publicou; sendo evidente que o estatuto de Angra enquanto cidade Património Mundial é mais uma vez ferido (de morte?) por outra obra em frente marítima, já que a descaracterizará ainda mais enquanto porto de escala dos Descobrimentos; assumindo que a obra decorrerá indubitavelmente por sobre jazidas arqueológicas subaquáticas, com a consequente colisão com as mais diversas normas do direito regional, nacional, comunitário e internacional que visam a protecção do património cultural, peço-lhe, senhor Presidente do Governo Regional dos Açores que, por favor, reconsidere - construa o seu Terminal de Cruzeiros onde quiser.


Só não o faça na já tão martirizada baía de Angra e à custa do seu tão maltratado património cultural subaquático.




Alexandre Monteiro


Arqueólogo Subaquático



23 de Outubro de 2009

Clube Golfe Ilha Terceira - Torneio das Castanhas 2009



Valeu o convívio, elas (bolas) queriam era mata, há sempre mais uma volta para dar...
Apesar do esforço, não foi ainda desta que levamos o 1º lugar net, mas sinto que está cada vez mais próximo, resta manter o ritmo, e ter mais "ganas" nos momentos de decisão!

Benfica à Campeão, Ganha com Mérito

Monday, 9 November 2009
Benfica Naval
1-0
Javi Garcia (86)
(HT 0-0)

Bookings:
Pereira (38
Gomis (11)
Daniel (18)
Godemeche (29)
Baradji (56

fonte: BBCsport

Carrega Benfica, carrega!

Friday, November 06, 2009

Debate sobre o programa de governo novembro de 2009

Intervenção Paulo Portas:

No dia 27 de Setembro, o senhor venceu as eleições. Não com o meu voto, como compreenderá. Mas com o voto de uma maioria relativa de Portugueses, que eu respeito.

A primeira utilidade deste debate é convidá-lo a fazer o que, até hoje, Vossa Excelência, evitou fazer: esclarecer o país sobre a sua interpretação de um resultado eleitoral que lhe deu mandato para governar mas que lhe retirou a maioria absoluta dos deputados. Porque, como creio que já terá reparado, o político é o mesmo, mas as circunstâncias mudaram. Vossa Excelência é primeiro-ministro; mas o povo estabeleceu limites ao seu modo de governar.

Ora, com a presciente excepção do novo ministro da Defesa que, num assomo de modéstia, reconheceu que perder a maioria absoluta implicava renunciar a alguns aspectos do programa do PS, o primeiro-ministro, até hoje, ainda hoje, recusou tirar consequências dessa prosaica evidência dos factos.

Tenho ouvido os seus discursos com atenção. Oiço-o aplicar ao seu mandato verbos como manter, continuar, insistir, prosseguir. Mas não lhe ouvi, até hoje, empregar - nem no plural majestático - os verbos corrigir, rectificar, alterar ou mudar.

Ora, o senhor primeiro-ministro certamente não ignora que, no dia 27 de Setembro, o PS ficou em primeiro - tem, por isso, legitimidade para governar - mas perdeu 517 mil votos; perdeu 24 deputados; perdeu 8.5% dos votos; e perdeu, portanto, a maioria absoluta, o que significa que não poderá, nos próximos quatro anos, usurpar o poder legislativo, que é do Parlamento, nem prejudicar a função fiscalizadora, que é desta Câmara.

Vossa Excelência governará, desde que saiba para onde vai, negoceie com sinceridade, procure compromissos e aceite ceder quando é necessário. O que não pode Vossa Excelência é pretender que tudo fica como dantes. É certo que a história regista o caso de um Governo que começou com maioria relativa e, por mérito próprio e demérito alheio, obteve depois a maioria absoluta. Mas o seu caso é exactamente o oposto: o senhor já teve a maioria absoluta e perdeu-a; tem agora, apenas, a maioria relativa, e se não souber colocar em primeiro lugar o interesse nacional, uma cultura de negociação, uma atitude de compromisso, procurando mais o que une do que aquilo que divide, Vossa Excelência mostrará pouco respeito pelos sinais do povo, escassa preocupação pela situação dificílima de Portugal, e perder-se-á.

O CDS foi o primeiro Partido a esclarecer que este debate não devia ser palco para radicalismos. Por isso recomendámos que não se lembrasse o Governo de suscitar uma moção de confiança; não fosse o senhor querer forçar o Parlamento a dar-lhe o que o povo lhe retirou.

De caminho, acrescentámos que não teríamos disposição para iniciativas de rejeição. Basta ter presente que os portugueses votaram há cerca de um mês, fizeram as suas escolhas, dispensam crises para além da crise que já sofrem todos os dias, desejam, politicamente, sossego e, sobretudo, exigem soluções; bastava isso e ainda ler a Constituição e o que ela diz, vedando a dissolução após eleições, para perceber que o CDS teve a posição responsável sobre este debate. Se recordo esse facto é para me dirigir ao primeiro-ministro, para reclamar que cumpra a sua parte, no que ao sentido de responsabilidade diz respeito.

Sendo muito directo: Vossa Excelência ainda não definiu o seu rumo. Os sinais que deu, até aqui, merecem, por isso, um curto, mas sério, reparo.

O primeiro sinal foi o de uma encenação, carente da mais remota autenticidade. Decidiu Vossa Excelência fazer de conta que sondava para uma coligação, o PSD matinalmente, o CDS por altura da sesta, o Bloco já à tardinha e o PCP pela hora do jantar. A sua intenção era que os Portugueses o julgassem, por momentos, um político cordato, generoso e atencioso. Tem Vossa Excelência uma parca ideia sobre a intuição dos nossos compatriotas.

Quem convida toda a gente para uma coligação não convida, verdadeiramente, ninguém. Quem convida todos para uma coligação, não está a pensar em nenhuma. E quem é tão indeciso nos convites, manifestamente não decidiu, ainda, para onde vai. Ocorre-me até perguntar o que teria sucedido caso, por hipótese, o PSD e o PCP tivessem dito que sim. O que faria? Uma coligação entre Sócrates, Manuela e Jerónimo? Com que misteriosas políticas em comum? E o que sucederia caso o CDS ou o BE tivessem tido a peregrina ideia de o surpreender afirmativamente? Quem excluíria Vossa Excelência? E porquê? Em nome de que valores ou políticas? Bem se vê, senhor primeiro-ministro, que essa encenação não foi mais do que política virtual. Ora, os problemas de Portugal são bem reais. Quem sou eu para o aconselhar, senhor primeiro-ministro, mas pedir, posso pedir: seja realista, faça o que é possível. Não fantasie.

O segundo sinal não foi melhor augúrio. Empreendeu o Governo na ideia de que o Programa aqui apresentado havia de ser a cópia exacta do Programa eleitoral do PS. A sua opção volta a ser a da aparência, não a do realismo. O senhor não pretendia mais do que um apoio pueril da opinião publicada: então não haviam de coincidir os Programas? Sucede que o senhor sabe, nós sabemos, todos os Portugueses sabem, que o seu programa eleitoral foi pensado para a maioria absoluta que o PS queria queria! mas não teve. E se não teve, algo devia mudar. Em vez de assumir isso, e definir então para onde quer ir e com quem, adaptar-se aos factos e pensar na melhor forma de servir o país, o Programa aqui apresentado é como as estátuas de sal: prossegue a ilusão de um poder absoluto que simplesmente já não existe. Convença-se disso.

A tal ponto assim é que este Programa vem imune aos próprios factos objectivos que aconteceram depois de 27 de Setembro. Por exemplo, ao facto de as entidades europeias confirmarem que o nosso défice está nos 8%, e não naqueles 5.9% pelos quais o Governo jurava, como se estivesse a fazer o preço na loja dos chineses, agarrado a uma décima que tornasse o caso mais parecido com 5 do que com 6. O programa reflecte essa verdade? Não: nem a obrigação de, mais semana, menos semana, terem de rever previsões conscientemente subestimadas, vos comoveu.

Outro facto que aconteceu e não vos fez maditar foi o anúncio, pela Alemanha, que é o motor económico da Europa, e pela Suécia, que assegura a presidência da União, de que a respectiva estratégia para sair da crise, apesar dos défices que também têm, sofreu uma alteração: decidiram baixar selectivamente impostos para restabelecer a confiança, devolver poder de compra, estimular o crescimento, assim gerar receita e, sobretudo, promover o emprego.

Não creio que o primeiro-ministro possa aplicar a esses parceiros europeus o elenco de epítetos com que costuma caricaturar as propostas fiscais do CDS. Mas convença-se: a sua obsessão em manter a carga fiscal, e na prática aumentá-la, começa a tornar-se uma autarcia ideológica no espaço europeu. Atrasa a retoma, não responde ao desemprego e acentua, ainda mais, o nosso atraso. Esmiuçando o Programa, reparamos que é mudo e quedo também quanto aos exemplos fiscais que chegam de fora.

Outro exemplo ainda, revelador de um Programa que não é pró-activo. O Observatório da Reforma das Leis Penais, por vós nomeado e liderado por alguém que é insuspeito de ser próximo de nós, acaba de reconhecer que, no ambiente de criminalidade que vivemos, as leis penais não podem ficar como estão. Cada dia que passa sem consagrar o julgamento rápido do delinquente apanhado em flagrante, sem agravar o castigo dos que reincidem e sem alargar o tipo de crimes a que se aplica a prisão preventiva, é mais um dia em que os delinquentes se sentem impunes, quem devia ser julgado não o é, quem devia estar preso não está, e quem não podia ser solto, solto é. O vosso próprio observatório o diz. Mas ao escrever o Programa, o Governo também aqui não se impressionou, nem sequer para admitir uma nova prioridade.

Enfim, foram as instâncias do Governo a reconhecer que, só em 2008, com a amostra disponível, pelo menos 15% dos beneficiários do Rendimento Mínimo estão a recebê-lo indevidamente, com fraudes e abusos que, oficiosamente, se sabem atingir os 20%. Os redatores do Programa dedicaram um segundo que fosse a cogitar no que isto significa? Não se nota. O que isto significa é que, num país onde o salário médio está bem abaixo dos 1000E, o Estado, à custa do contribuinte, financia, pelo menos, entre60 a 80 mil abusadores do Rendimento Mínimo, com uma despesa superior a 100ME que seria bem melhor aplicada nas pensões de quem não fez outra coisa na vida senão trabalhar.

Estes exemplos mostram que o Programa podia e devia ter sido actualizado e não foi. Segue mais a linha de ignorar factos incómodos mas verdadeiros do que a linha de os reconhecer e proceder a mudanças em conformidade.

Por fim, o terceiro, último e insólito sinal dado pelo Ministro dos Assuntos Parlamentares na muito sensível questão da avaliação dos docentes. Ainda a nova Ministra da Educação não tinha dito uma palavra sobre os professores nem aos professores e já o senhor Ministro se atravessava no seu caminho secundarizando-a, obviamente -, e em vez de sugerir um compromisso, tomar a iniciativa de procurar, nesta Câmara, os denominadores comuns, preferiu entrar a pés juntos, revelar intransigência e - nada menos - ameaçar, ameaçar-nos e ameaçar o país com querelas constitucionais!

Senhor primeiro-ministro, responda-me a uma perguntazinha: se Vossa Excelência substituíu a anterior ministra, por alguma razão terá sido, não? Se já duas vezes tiveram de rever aquele modelo de avaliação, por alguma razão terá sido, não? É assim tão difícil para si reconhecer o óbvio ou seja, que na questão dos professores há erros de política, e não meros erros de comunicação? Pela parte do CDS, digo-lhe que não somos sensíveis a ameaças; que lhe proponho, vivamente, pôr de lado o orgulho; convido-o a perceber que a paz nas escolas é o que todo o país quer, porque já falta a paciência para tanta beligerância no bunker da 5 de Outubro. E já agora, senhor primeiro-ministro, não troque o malhar, malhar, malhar, pelo ameaçar, ameaçar, ameaçar. Haja bom senso e procure-se uma solução de consenso. É possível e é necessária.

Quando o PS perdeu a maioria absoluta, esperar-se-ia um tempo de digestão dessa evidência, mas sobretudo, a rectificação de um homem de Estado. Os três sinais que aqui referi evidenciam uma espécie de recaída: uma nostalgia daquele quero, posso e mando que os Portugueses, simplesmente, esvaziaram. A bem de todos, Senhor Primeiro-ministro, rectifique.

Esclarecidos estes pontos passo a enviar que conheça as regras que, para nós, ajudam a construir uma legislatura boa para Portugal.

O senhor usará os argumentos que entender. Mas o argumento do anterior Governo, que foi panaceia para tudo, caducou. O anterior Governo é o seu, as anteriores políticas são as suas. Não o queira agora substituir por uma vitimização sem qualquer motivo.

Vossas Excelências, andam fascinados com a expressão coligação negativa. Eu bem sei que o senhor primeiro-ministro, quando foi eleito líder do PS, não teve mais do que um semestre na oposição, e já conta com muitos anos de Governo, primeiro-ministro, ministro e secretário de Estado. Talvez esse facto explique um equívoco é que Vossa Excelência parece achar que a oposição só é legítima quando não se opõe. Desengane-se: em parte alguma do mundo, excepto nas autocracias, é assim.

Por outro lado, não crie fantasmas. Os quatro Partidos de oposição que, directamente, foram a votos, são muito diferentes entre si. Ninguém no seu perfeito juízo imagina um programa comum entre o PSD, o CDS, o BE e o PCP. Mas senhor primeiro-ministro: se acontecer, certamente acontecerá, que toda a oposição vote contra diplomas do Governo, pode ter a certeza que tal sucederá, quando e se Vossa Excelência fizer opções ou tiver atitudes típicas do animal feroz, extremando ou radicalizando posições, constituindo-se, por isso, no verdadeiro factor de instabilidade; ou quando o senhor e o seu Governo abusarem, porque contrariar o abuso não é uma questão ideológica, é simplesmente uma questão democrática.

Donde, convém clarificar as águas. Vossa Excelência tem legitimidade para exercer o poder executivo. Mas não pretenda substituir ou paralisar o poder legislativo: nesse poder a Assembleia da República é fundamental.

Deixei claro, logo depois das eleições, que nunca fui partidário do Governo de assembleia. Por isso também sou claro ao dizer-lhe que não ameace a Assembleia no exercício da função legislativa. A todos os Governos do mundo acontece ganhar ou perder votações. E, acontecendo perder, paciência, é a vida. Muda-se, melhora-se, tenta fazer-se melhor ou passa-se ao assunto seguinte.

Também é importante deixar nítido um pensamento sobre a função da fiscalização do Parlamento. Deve ser intensa e profícua. Dou-lhe um exemplo do que não deverá voltar acontecer: é impensável que uma Comissão de Inquérito como a do BPN trabalhe dia e noite como os senhores deputados trabalharam, apure factos e relações que só enobrecem a autenticidade e isenção desta Assembleia, e depois uma maioria, só porque é absoluta, transforme as conclusões numa pálida ideia do que foi descoberto, não porque a verdade seja inatingível, mas tão só porque a verdade dói a um Governador do Banco de Portugal que é camarada, acudindo-lhe a maioria para, literalmente, apagar as suas responsabilidades em erros muitos e caros de supervisão.

O estado de Portugal não é bom. O que Vossa Excelência tem pela frente é um país onde o desemprego cresce todos os dias e o número de falências não estanca; um país em que a emigração de jovens com talento é cada vez mais a sua única opção, já nos centros de emprego cresce, mês após mês, o número de imigrantes sem emprego, vítimas de leis facilitistas e máfias depradadoras; é um país em que tantos e tantos empresários não conseguem pagar ao trabalhador, como é seu primeiro dever, e ao mesmo tempo ao Estado, cheque após cheque, numa espiral fiscal e contributiva totalmente contraproducente em tempo de crise; é um país em que os mais pobres que são os mais velhos recebem muito pouco da sociedade para a qual trabalharam imenso, enquanto demasiada gente já onera a sociedade, descobrindo mesmo um modo de vida à custa dela, sem ter a mais pequena intenção de trabalhar; um país em que o endividamento está a atingir proporções demasiado preocupantes mas a criação de riqueza vem há décadas a cair, a cair lentamente, a cair até bruscamente, colocando-nos na posição de sociedade pouco viável e de economia em declínio, que se endivida para empobrecer e até na saída da crise volta a divergir do resto da Europa; um país oficialmente obcecado com as grandes obras, mas que sufoca, desperdiça e despreza os seus sectores produtivos, com especial relevo para a agricultura e o mar; um país em que a insegurança e a criminalidade não são combatidos com firmeza e, se necessário, com dureza, porque ainda é moda, no ambiente político, desculpar a delinquência, culpar a sociedade, ignorar a vítima e assim atraiçoar o trabalho da polícia; um país que a confiança na justiça é praticamente nula; um país que tem capacidades instaladas, por exemplo no sector social, para fazer muito mais consultas e cirurgias, mais rapidamente a mais doentes, e prefere, por mera rigidez ideológica, remetê-los para as listas de espera; um país em que só os ricos escolhem a escola dos filhos e todos os outros ficam à mercê de uma escola sem exigência e de uma educação para a estatística; um país em que o catálogo de direitos é sempre maior, e o elenco dos deveres é cada vez mais exíguo; um país que não está motivado, em que a esperança é um bem raríssimo.

Um país que, ainda assim, tem notáveis exemplos de generosidade, dádiva, espírito de iniciativa, talento artístico, mérito científico, e que espera de nós, de todos nós, apenas e só isto: dêem o melhor e ajudem o país a sair desta desoladora circunstância. Quanto mais não seja por isso, talvez o primeiro-ministro perceba porque é que, para nós, importante, vital, prioritário,é tudo o que une, não é o que fractura.

Senhor Primeiro-Ministro: vem aí o debate do Orçamento de Estado para 2010. Convém antecipar algumas questões, antes que Vossa Excelência queira vitimizar-se, optando por políticas exclusivamente suas, num Parlamento em que é, apenas, relativamente maioritário.

Se estivesse no seu lugar, procuraria aquilo que, surpreendentemente, não encontrei no seu discurso de hoje: um novo Acordo Social, capaz de mobilizar os empregadores e os trabalhadores para dar solução a um gravíssimo problema económico o da produtividade e atender, com justiça, à valorização do factor trabalho. É necessário um esforço para dotar a economia e as empresas de maior produtividade e para remunerar adequadamente, e não taxar barbaramente, os que querem trabalhar mais e melhor. Vá por aqui, senhor primeiro-ministro. E não se esqueça que a produtividade de hoje é uma questão empresarial e laboral, mas a de amanhã é uma questão das escolas e da sua exigência na preparação dos jovens.

Mas não só, senhor primeiro-ministro. Vá à Concertação Social perguntar se faz algum sentido, neste momento de crise, falências, desemprego e declínio económico, fazer entrar em vigor, no próximo dia 1 de Janeiro, um Código Contributivo que põe os trabalhadores a pagar mais ao Estado, põe as empresas a pagar mais ao Estado, põe as prestações de serviços a pagar mais ao Estado, põe os agricultores e os comerciantes a pagar mais ao Estado. Pura e simplesmente, este Código Contributivo pode ser o golpe de misericórdia numa economia já débil e doente. Sei que lhe custa ouvir: mais oiça, oiça agora, enquanto é tempo, e se não me quiser ouvir a mim, oiça os parceiros sociais. Se Vossa Excelência permanecer naquela atitude do eu fiz, eu é que sei, eu é que mando, preocupadamente lhe digo que o CDS tentará evitar o pior, aqui, na Assembleia da República.

Já o Orçamento de Estado há-de estar a ser concluído por esta altura. O que com toda a boa fé e sentido de responsabilidade, lhe sugiro, é que dê os sinais certos e não dê os sinais errados.

Refiro-me a sinais certos, ou errados, com tradução orçamental.

Sinal certo é apresentar números do crescimento, do défice, do endividamento, do desemprego, entre outros, credíveis e não virtuais. Sinal certo é preocupar-se não apenas com as grandes obras, mas também com o Pagamento Especial por Conta e os Pagamentos por Conta das PMEs, que, ficando como estão, levam ao genocídio das empresas e dos empregos. Sinal certo é não quer antecipar tanta receita com as retenções na fonte, porque isso também esmaga o poder de compra. Sinal certo é ver o que pode fazer, para que, realmente, o número de filhos comece a descontar alguma coisa mais no IRS a pagar.

Sinal certo é encontrar uma solução estrutural para que o Estado pague a horas, pague mais quando se atrasa, não exija garantias para pagar o que deve nem eternidades para reembolsar o que tem de reembolsar. Sinal certo é apresentar a este Parlamento uma solução rápida e eficiente para pôr o PRODER a funcionar e a agricultura a contribuir para a riqueza nacional. Sinal certo é dar mais do que hoje anunciou aos pensionistas e fiscalizar muito mais do que hoje admitiu o Rendimento Mínimo. Sinal certo é não discriminar os Antigos Combatentes e os Deficientes das Forças Armadas. Sinal certo é aceitar, sem preconceito ideológico, contratualizar cirurgias e consultas a mais doentes, começando por fazê-lo com o sector social. Sinal certo é comprometer-se, a quatro anos, com uma admissão de agentes da PSP, militares da GNR e investigadores e auxiliares da PJ que, claramente, compensem as aposentações e permitem reduzir a insegurança. Sinal certo é cuidar do endividamento e ser transparente, de um ponto de vista geracional diria mesmo, de um Orçamento inter-geracional o ónus das parcerias e a iniciativa simultânea de todas as grandes obras.

São estes os sinais certos. Desejo profundamente que reflicta sobre eles. O ónus está do seu lado, porque, como gostam de repetir algo tautologicamente, o Governo é que governa.

E é tempo de terminar. Faço-o invocando o sentido de Estado que sempre caracterizou todos os líderes do CDS quando abordaram os interesses permanentes do Estado na política externa e na política de Defesa. Faremos o que pudermos para manter os consensos essenciais. Pelo bem de Portugal, que é só o que interessa e a única lealdade a que obedecemos.



Paulo Portas

Benfica Brilha e Demonstra Classe na Europa

Slick Benfica outclass Everton


Saviola (right) was superb as an attacking force for Benifica

Javier Saviola and Oscar Cardozo scored as Benfica deservedly defeated Everton in the Europa League.

Saviola opened the scoring with a low finish early in the second half before Cardozo finished in the bottom corner.

Cardozo appeared to be in an offside position but Benfica's attacking play was superb and earlier he hit the post and Tim Howard superbly denied Saviola.

An unmarked Sylvain Distin had a chance for Everton from six yards late in the game but was denied by Julio Cesar.

Benfica were full value for their victory, with Cardoza, Saviola and Angel Di Maria interchanging passes with great skill and understanding.

The introduction of Argentine Pablo Aimar after the break only served to illustrate the difference in options between the visiting team and injury-hit Everton.

David Moyes's team - who were thrashed 5-0 at Benfica two weeks ago - have not won in any competition since they defeated BATE on 1 October.

Fonte: British Broadcasting Corporation - http://news.bbc.co.uk


Classy Benfica beat Toffees


Everton were again outclassed by Benfica as David Moyes' side went down 2-0 at Goodison Park in the Europa League.

After beating the Toffees 5-0 in Portugal a fortnight ago, Benfica turned on the style in the second period and deservedly won through Javier Saviola and Oscar Cardozo strikes.

The visitors almost took the lead near the end of the first half when Ramires' header hit the post before Tim Howard made a great reaction save to deny Saviola on the rebound.

But Saviola put the visitors in front on 63 minutes, slotting home into the bottom left-hand corner after a fine passing move by the Portuguese side.

Cardozo then made sure of the win when adding the second on 76 minutes to send Benfica three points clear at the top of Group I, with the Toffees remaining second after AEK Athens and BATE Borisov drew 2-2 in Greece.

Everton have now suffered two defeats after two wins and their match against AEK next month is crucial.

This is a worrying spell for manager Moyes as his side are struggling to get going in the Premier League as well.

The Toffees were made to pay here after failing to take advantage of their half-chances in the early stages.

Marouane Fellaini made space inside the area after only four minutes but found the body of Benfica goalkeeper Julio Cesar with his shot.

Fonte: Sky Sports - http://www.skysports.com

Thursday, November 05, 2009

Wednesday, November 04, 2009

Golfe em Palavras -

AS FRASES DOS HUMORISTAS Piadas, anedotas, reacções epidérmicas: o golfe presta-se ao humor – e nenhum golfista alguma vez desperdiçou uma boa oportunidade para rir-se de si próprio. Resultado: uma série de pérolas. “O golfe é como uma miúda de 18 anos com peitos grandes. Tu sabes que está errado, mas não te consegues afastar dela.”

VAL DOONICAN Cantor irlandês Anfitrião do “The Val Doonican Show”, da BBC “Na verdade, a única vez que eu saquei do meu ferro 1 foi para matar uma tarântula. E mesmo assim fiz sete pancadas.”

JIM MURRAY Jornalista norte-americano Editor do Los Angeles Times “O desporto de eleição dos pobres é o basquetebol. O da classe média baixa é o bowling. O dos quadros médios é o futebol americano. O dos supervisores é o basebol. O dos quadros superiores é o ténis. E o dos presidente de conselho de administração é o golfe. Conclusão: quanto mais sobre na vida, mais pequenas ficam as tuas bolas.

” idem “O swing de golfe é como o sexo. Não podes estar na mecânica da coisa enquanto a praticas.”

DAVE HILL Músico britânico Guitarrista dos Slade “Lembro-me perfeitamente da primeira vez que joguei abaixo das 90 pancadas. Fui para a club-house beber umas cervejas e fiquei tão excitado que me esqueci de jogar os restante nove buracos.”


BRUCE LANSKY Pedagogo norte-americano Fundador do Bruce Lansky Teacher Resource File “O golfe é jogado por vinte milhões de americanos cujas mulheres pensam que eles foram divertir-se.”


JIM BISHOP Jornalista norte-americano Notável opositor de Richard Nixon “Quando eu morrer, enterrem-me num campo de golfe. Assim, sempre posso ter esperança de que o meu marido me venha visitar.”


MARY PICKFORD Actriz norte-americana Vencedora de vários prémios da Academia “Estou a bater as madeiras muitíssimo bem. Não consigo é voltar ao fairway.”

HARRY TOFCANO Jornalista norte-americano Autor de vários livros com anedotas de golfe “Sei que estou a melhorar o meu jogo quando começo a atingir menos espectadores.”

GERALD FORD Antigo presidente americano Golfista quase tão fanático como Eisenhower “A razão por que os profissionais de golfe dizem para manteres os olhos no chão é para não os verem a rir-se do teu swing.”

PHYLLIS DILLER Actriz norte-americana ‘Compagnon de route’ de Groucho Marx “Jogar golfe é como ir a um clube de striptease. Começas todo excitadinho, pronto para a acção, mas três horas depois estás deprimido, desconfortável – e, para além disso, as tuas bolas desapareceram todas.”

JAMES CLARK Golfista norte-americano Vencedor de dois torneios do PGA Tour “O golfe é um jogo fascinante. Demorei cerca de quarenta anos a perceber que não consigo jogá-lo.”

TED RAY Golfista britânico Vencedor do British Open “Se pudesse, jogava todos os dias. É mais barato do que um psiquiatra e, alem disso, não há telefones no meu buggy.”

BRENT MUSBURGER Broadcasters norte-americano Colaborador da ABC e da ESPN e o especialista é: BOB HOPE Verdadeiro fanático do golfe, o mais mítico apresentador da televisão americano dá hoje nome a um torneio no PGA Tour. São suas algumas das frases mais divertidas da história da modalidade. “Se bato para a esquerda, é um hook. Se bato para a direita, é um slice. Se bato direito, é um milagre.”

BOB HOPE Apresentador de televisão norte-americano Dá nome a um torneio do PGA Tour “Se estou no campo e começam os trovões, volto de imediato para a club-house. Se Deus quer jogar, deixá-lo jogar”. Idem “Só espero que, quando chegar lá acima, Ele não me peça explicações sobre a quantidade de vezes que usei o nome d’Ele em vão.”

AS FRASES DOS POETAS Escritores, jornalistas, diplomatas – gente de todas as áreas escreveu inspiradamente sobre o golfe. Alguns escritores foram beijados momentaneamente pelo poeta e fizeram literatura também.
“Quão direita voou, quão longe voou/ Venceu o caminho sulcado/ E, elevando-se, desapareceu/ Da Vista/ Por detrás do bunker/ Um glorioso, navegante, entrelaçado drive/ Que me deixou feliz por estar vivo.”


JOHN BETJEMAN Poeta britânico Autor de “Summoned by Bells”, entre outros livros “O golfe é como um caso de amor. Se não o levas a sério, não tem piada nenhuma. Se o levas a sério, parte-te o coração.”


LEON GRIFFITHS Argumentista britânico Criador da série “The Minder” “O golfe não é simplesmente um exercício. É aventura, é romance – é uma peça de Shakespeare em que desastre e comédia aparecem lado a lado”


HAROLD SEGALL Jornalista norte-americano Edtor do The New York Times “Jogar golfe ensinou-me o significado da palavra humildade. Permitiu-me compreender toda a inutilidade do esforço humano.”

ABBA EBAN Diplomata e politico israelita Antigo vice-primeiro ministro de Israel “Num minuto estás a sangrar. No minuto seguinte, tens uma hemorragia. No outro já estás a pintar a Mona Lisa.”

MAC O’GRADY Golfista norte-americano Vencedor de dois torneios do PGA Tour “Dizem que o golfe é como a vida, mas não acreditem neles. O golfe é muito mais complicado do que isso.”


GARDNER DICKINSON Golfista norte-americano Vencedor de sete torneios do PGA Tour “A grande razão por que o golfe é tão popular é que é a melhor coisa do mundo em que se pode ser mau.”

A. A. MILNE Romancista britânico Autor de “O Mistério da Casa Vermelha”, entre outros livros “O golfe é vinte por cento mecânica e técnica. Os restantes oitenta por cento são filosofia, humor, tragédia, romance, melodrama, companheirismo, camaradagem, perversidade e conversa.”


GRANTLAND RICE Jornalista norte-americano Dá nome a um hall na Columbia University “Dezoito buracos de matchplay hão-de ensinar-lhe mais sobre o seu inimigo do que dezoito anos a trabalhar na secretária em frente a ele.” Idem “É quase impossível recordar o quão trágico o mundo é quando se está a jogar golfe.”

ROBERT LYND Escritor irlandês Activista do Sinn Féin “O golfe é uma diversão ideal e uma ruinosa doença.”

BERTIE FORBES Financeiro escocês Fundador da revista “Forbes” (caixinha dentro da caixa) E o especialista é: P.G. WOODEHOUSE Reconhecido como um dos maiores romancistas cómicos de sempre, P.G. Woodehouse foi também um ávido golfista. São suas algumas das melhores e mais literárias frases sobre o jogo. “Um homem que esteja a jogar sozinho, dê por si com um mau lie num rough difícil e seja capaz de jogar a bola como ela está – esse, sim, será o homem que vos servirá bem.”


P.G. WODEHOUSE Romancista norte-americano Autor de “Um Homem de visão”, entre outros livros “Ele desfruta daquela paz perfeita, daquela paz para além de todo o entendimento que só atinge o seu máximo quando um homem desiste de jogar golfe.” Idem “‘Afinal de contas, o golfe é apenas um jogo’, disse Millicent. As mulheres dizem estas coisas sem pensar. Não quer dizer que tenham um defeito de carácter. Simplesmente não percebem o que estão a dizer.”


AS FRASES DOS CAMPEÕES São momentos de repentismo surgidos em conferências de imprensa ou entrevistas. Aos verdadeiramente grandes, a pressão da competição nunca conseguiu estragar a presença de esírito.

“O golfe é jogado na sua maior parte num campo de dez centímetros: a distância entre as nossas duas orelhas.”

BOBBY JONES Norte-americano Reconhecido como o melhor golfista amador de sempre “Evita todos os teus instintos naturais, faz exactamente o contrário daquilo para que o teu corpo e a tua mente se inclinam – e então, provavelmente, estarás próximo do swing perfeito.”

BEN HOGAN Norte-americano Vencedor de nove torneios do Grand Slam “Ninguém perguntou se foi bonito ou não, mas apenas quantas fizeste.”
SAM SNEAD Norte-americano Vencedor de nove torneios do Grand Slam “Quanto mais treino, mais sorte tenho.”

GARY PLAYER Sul-africano Vencedor de nove torneios do Grand Slam “Tenho uma dica infalível para quem quiser subtrair cinco pancadas ao seu score: comprar uma borracha.”

ARNOLD PALMER Norte-americano Vencedor de sete torneios do Grand Slam “Gostava de ver os fairways mais estreitos. Assim, toda a gente tinha de jogar do rough, não apenas eu.”

SEVERIANO BALLESTEROS Espanhol Vencedor de cinco torneios do Grand Slam “O hockey é um desporto para brancos. O basquetebol é um desporto para pretos. E o golfe é um desporto para brancos vestidos como chulos pretos.”

TIGER WOODS Norte-americano Vencedor de 14 torneios do Grand Slam “O drive do John Daly é incrível. Normalmente, vou passar férias para mais perto.”

IAN-BAKER FINCH Australiano Vencedor do British Open “Porque é que eu estou a usar um novo putter? Porque o último não flutuava muito bem…”

CRAIG STADLER Norte-americano Vencedor do The Masters (caixinha dentro da caixa) E o especialista é: LEE TREVINO Poucos se destacaram tanto nos ditos espirituosos como o antigo campeão americano. Eis algumas das suas pérolas: “Golfe é a coisa mais divertida que eu já fiz vestido.”

LEE TREVINO, Norte-americano Vencedor de seis torneios do Grand Slam “Se fores apanhado por uma tempestade num campo de golfe e tiveres medo dos raios de trovão, ergue o teu ferro 1. Nem sequer Deus acerta com o ferro 1.” Idem “Um homem não sabe o que é a pressão até dar por si a jogar um matchplay por cinco dólares com apenas dois no bolso.”

NUMA REDE DE OUTRA COR) AS DEZ MAIS ODIOSAS DECLARAÇÕES DE ÓDIO

A lista de golf-haters, ou “odiadores do golfe”, vai dos políticos aos escritores, passando por jornalistas e até socialites. Eis algumas das melhores manifestações de desdém pelo jogo:

10. “O golfe é uma exibição de ambição ufana, de estupidez disfarçada de coragem e de habilidade coberta de arrogância.” ALISTAIR COOKE Jornalista norte-americano Golf-hater

9. “Só há uma coisa mais tola do que jogar golfe: ver alguém a jogar golfe. O que é que vemos, afinal? Trinta e sete tipos vestidos de polyester a arder ao sol. É mesmo coisa de fazer o sangue correr-nos nas veias…” PETER ANDREWS Matemático norte-americano Golf-hater

8. “Por mim, qualquer homem culpado de golfe seria barrado da administração pública americana e as suas famílias seriam deportadas para a Argentina.” H.L. MENCKEN Escritor norte-americano Golf-hater

7. “Um jogo em que um homem de 60 anos consegue bater um homem de 30 não é um jogo.” BURT SHOTTEN Produtor musical Golf-hater

6. “Não se lhe pode chamar um desporto. Não se corre, não se salta, não se passa, não se faz força. Tudo o que é preciso fazer é comprar umas roupas que não combinam” STEVE SAX Jogador de basebol Golf-hater

5. “Golf: a arte de bater com força, evitar o rough, fintar armadilhas e obstáculos, apontar a direito e chegar finalmente ao grren apenas para encontrar um buraco antes dos amigos. O passatempo favoritos de empresários e seus companheiros, provavelmente todos ignorantes do verdadeiro significado metafórico daquilo que estão a fazer.” RICK BAYAN Escritor norte-americano

4. “O golfe apela ao idiota que há em nós. E à criança. Tal como uma criança, nenhum golfista sabe contar até mais do que cinco.” JOHN UPDIKE Romancista norte-americano Golf-hater

3. “O homem culpa o destino por um acidente, mas sente-se pessoalmente responsável por um hole-in-one.” MARTHA BECKHAM Socialite norte-americana Golf-hater

2. “O golfe é como perseguir um comprimido de quinino numa pastagem de vacas.” WINSTON CHURCHILL Antigo primeiro-ministro britânico Golf-hater

1. “O golfe é um belo passeio estragado.” MARK TWAIN Escritor norte-americano Golf-hater

NUMA REDE DE OUTRA COR

OS DEZ MELHORES DITADOS DE GOLFE

São frases de autores desconhecidos ou apenas provérbios consolidados ao longo dos mais de 250 anos da história do golfe. Todos os dias são ditas em algum campo do mundo. Quer começar a brilhar nas rondas com os seus amigos?

10. “Passei quase toda a minha vida a jogar golfe. O resto foi desperdício.”

9. “O golfe é uma sucessão de tragédias ocasionalmente intercaladas por um milagre

8. “Quem me dera conseguir jogar o meu jogo normal ao menos uma vez.”

7. “Para muitos, o seu handicap é saber contar.”

6. “Uma coisa interessante no golfe é que, independentemente do quão mal estás a jogar, pode sempre piorar.”

5. “A madeira em que eu sou melhor é o lápis.”

4. “Mais vale um mau dia de golfe do que um bom dia de trabalho.”

3. “O golfe é um jogo difícil de compreender. Num dia vais jogar, fazes shanks, fazes slices, cais nos obstáculos todos e não consegues um único green in regulations. No outro, vais jogar outra vez e, quando menos se esperava, jogas mesmo mal.”

2. “Se jogas acima das 100, o teu negócio não é o golfe. Se jogas abaixo das 80, não tens negócio.”

1. “Como é que se chama o Mulligan na minha terra? Chama-se Três.”

Fonte: Revista J - www.7abaixo.com

No 19 com a cervejinha da praxe!

Durante os 18 excelentes buracos da Batalha a boa disposição esteve sempre presente, shot após shot!



Thursday, October 29, 2009

Monday, October 26, 2009

Mais do Mesmo

Legião Urbana

Composição: Dado Villa-lobos/ Renato Russo / Renato Rocha / Marcelo Bonfá

Ei menino branco o que é que você faz aqui
Subindo o morro pra tentar se divertir
Mas já disse que não tem
E você ainda quer mais
Por que você não me deixa em paz?

Desses vinte anos nenhum foi feito pra mim
E agora você quer que eu fique assim igual a você
É mesmo, como vou crescer se nada cresce por aqui?
Quem vai tomar conta dos doentes?
E quando tem chacina de adolescentes
Como é que você se sente?

Em vez de luz tem tiroteio no fim do túnel.
Sempre mais do mesmo
Não era isso que você queria ouvir?

Bondade sua me explicar com tanta determinação
Exatamente o que eu sinto, como penso e como sou
Eu realmente não sabia que eu pensava assim
E agora você quer um retrato do país
Mas queimaram o filme
E enquanto isso, na enfermaria
Todos os doentes estão cantando sucessos populares.
(e todos os índios foram mortos).


Sunday, October 11, 2009

Big Beat





Big beat ou Big Beat (também conhecido como Brit Hop, Amyl House e Chemical Beats) é um estilo de música eletrônica caracterizado por aceleradas batidas de Hip Hop juntamente com batidas de Funk, podendo incluir distorções de riffs de guitarras. Os principais expoentes desse estilo são The Chemical Brothers, Fatboy Slim e The Prodigy. Uma das mais importantes gravadoras desse estilo é a Moonshine.

A primeira colânea de Big Beat foi a Hardhop Tripno. O nome é uma combinação de Hard Techno com Trip Hop, dois estilos que muito influenciaram o Big Beat.

O Big Beat surgiu no Albany Club em Londres quando Tom Rowlands e Ed Simons da dupla The Chemical Brothers juntaram o Breakbeat com o tempo 4x4 da House Music. O Big Beat tem em média 145 BPMs. Mas não só de elementos da dita e-music contemporânea compõem este tão miscigenado estilo. A black music também integra o que temos hoje quando no estilo citado, ficando claro influências que vão do mestre James Brown à cultura rap dos anos 90. Bandas como Bomb The Bass são considerados os patronos do gênero, considerando tempos de conhecimento digital instantâneo e, é claro, o bom gosto que antes podera.
fonte: wikipédia

Tuesday, September 29, 2009

Colisões Galácticas - As vezes são inevitáveis




O Medo como Orientador da Nossa Vida
Uma vez que estamos sós no mundo, ou pelo menos não tão sós como gostaríamos de estar, temos o dever de dominar as nossas explosões, de fazer com que as explosões inevitáveis da nossa maldade ou da nossa bondade paradoxais vão aproximativamente no sentido do fim aproximativo. Quanto ao fim, talvez não seja lá muito importante determiná-lo com a precisão sádica que encontramos no sistema do mundo e no destino quando ambos se associam para determinar a posição do homem no espaço e no tempo.
Devemos evidentemente batermo-nos contra os dois, e como o mais importante é manter a direcção justa do fim talvez errado, é-nos necessário aguçar a nossa lucidez a fim de a tornarmos cortante como uma lâmina, acerada como uma seta, percuciente como uma punção. É graças a essa lucidez que funciona a nossa consciência, que não passa afinal de uma transcrição idílica do nosso medo, porque o medo lembra-nos infatigavelmente a direcção justa, e se sufocarmos o nosso medo, perderemos a possibilidade de nos orientarmos numa direcção determinada e daremos aqui e ali lugar a uma série de estúpidas explosões privadas, causando os piores estragos para um mínimo de resultados. É por isso que devemos conservar dentro de nós o nosso medo como um porto sempre livre de gelos que nos ajude a passar o Inverno, e também como uma corrente submarina vibrando por baixo da superfície gelada dos rios.

Stig Dagerman, in 'A Ilha dos Condenados'

Monday, September 28, 2009

CDS: De pacatez no Caldas a sede de campanha transformada em discoteca

CDS: De pacatez no Caldas a sede de campanha transformada em discoteca
28 de Setembro de 2009, 00:56

A noite eleitoral do CDS-PP começou pacata na sede de campanha. Apenas os jornalistas a fazerem movimentar o espaço e o cheiro a fritos da comida que se punha a jeito para alimentar os trabalhadores da noite. Mas, com a expressão «terceira força política» a espreitar nos rodapés das televisões, os apoiantes saíram de casa em massa e transformaram o Caldas numa discoteca popular.

Primeiro, aguardam-se os resultados e depois faz-se a festa. Parece ter sido esta a máxima seguida pelos dirigentes do CDS e respectivos apoiantes. Paulo Portas foi o último líder partidário a discursar e os seus militantes também tardaram em aparecer. Mas chegaram e fizeram a festa.

No Largo Adelino Amaro da Costa, local onde o CDS-PP tem a sua sede, à medida que cada deputado ia sendo confirmado como eleito, as bandeiras azuis e brancas aumentavam, as palmas foram crescendo de tom e o espaço, já de si pequeno, quase não chegou para acolher os que por ali quiseram passar.

E porque, antes do presidente do partido falar, já se antevia que o trabalho dos jornalistas seria difícil, o director de campanha do CDS tentou meter água na fervura e acalmar o entusiasmo. João Rebelo tentou. Pediu, delicadamente. Ordenou que se sentassem e abrissem espaço. Mas em vão. A noite era dos populares e quanto mais ali coubessem mais entrariam.

O líder entrou, emocionado, discursou, entusiasmado, e ouviu, atento, os cânticos da Juventude Popular que sobe sempre o tom de voz para calar todos os outros.

Mas no fim, ninguém arredou pé. A sede do partido passou de local de discussão política a discoteca para os presentes. As luzes azuis do espectáculo ajudaram à festa e a música subiu de tom. Olhando para trás, para o terceiro lugar do podium, nas varandas os discípulos de Portas dançavam nas varandas. E não era o hino cantado por Dina. Era música de dança para marcar o ritmo acelerado de quem chegou ao dois dígitos.

Fonte: sapo.pt