Monday, October 25, 2010

Novo Paradigma da Arquitectura Rural Açoriana




A freguesia do Porto Martins, é à relativamente poucos meses a grande referência da arquitectura paisagística Açoriana, com a construção do "GRANDE" pavilhão multiusos no coração da sua zona histórica
Depois da indiscutível excelente intervenção na orla costeira da zona, chega agora a obra que todos desejavam e ambicionavam.
Um pavilhão que servirá "toda" a sua população e será uma referência cultural e social para todas as gerações do Porto Martins.
Esta infraestrutura tem um grau de impacto, só comparável às grandes obras faraônicas, ora vejamos, dentro desta impressionante e moderna obra poderíamos lá colocar sem dano a Igreja, a Casa do Povo, o café, o restaurante, o touril, e mesmo assim ainda tínhamos espaço para uma peladinha de 5X5.
Esta maravilha ambiental, é sem dúvida um marco histórico, com o seu harmonioso e adequado enquadramento comunitário e paisagístico, com os seus verdes jardins inspirados na filosofia Feng Shui e com os seus funcionais parques de estacionamento.
O Porto Martins é sem dúvida nenhuma hoje uma freguesia reinventada.
Atirada para o futuro, com obras de impacto estrondoso, realizadas após ponderados e aprofundados estudos, alicerçados em irrefutáveis critérios, fortemente influenciados pela cultura, inteligência e competência de quem inconscientemente as promove e realiza.
Mas todas estas virtudes não se esgotam aqui, poderíamos juntar a todas estas manifestações da mais moderna arquitectura europeia, a famosa relação custo-benefício, é que esta obra de arte contemporânea é em termos económicos também ela uma referência, só possível de ser executada naquele mesmo espaço.
Para terminar gostaria de referir que está em estudo a anexação de um espaço destinado a receber turistas que poderão assim vivenciar o ambiente das adegas e das vindimas, recriação esta feita dentro deste novo espaço multicultural do Porto Martins.
É caso para dizer: " Onde anda a UNESCO, que ainda não equacionou a elevação desta zona do Porto Martins a Património Mundial!"

7 comments:

Miguel Bettencourt said...

Comentar o quê? Mais palavras para quê? Disseste tudo!

Mas não resisto a deixar aqui, por escrito, o que estou farto de "suspirar": como é possível que técnicos e políticos, ambos supostamente responsáveis, permitam uma coisa destas?

Ainda não houve uma única pessoa com bom senso, sentido crítico e cívico, e com quem eu tivesse trocado impressões sobre esta monstruosidade, que não tenha criticado ferozmente esta construção.

Abraço!
- m

Miguel Azevedo said...

Se autorizares utilizarei uma das tuas fotos para, um dia destes, falar do caso.

Quanto à realidade vigente, quem desenhou aquilo para o implementar ali é uma besta. E nada mais digo...

Pomordez said...

eu não concordo que seja grande demais, era preciso ainda ser maior para conseguir albergar todos os politicos e respectivos capangas lambe botas que por aí andam. E se fosse para levar com toda a incompetência inerente, seriam necessários ainda mais dez pavilhões destes, pelo menos.

Pomordez said...

Ah! já me esquecia, se fosse questionado o responsavel mor, ainda era rapaz para dizer: " o pavilhão não é grande demais, a freguesia é que é pequena, mas o poder autárquico agora instalado, está a tratar do seu crescimento".

blogdovaqueiro said...

Agora só falta um chafariz na rotunda da canada do Serra.

Anonymous said...

Nesta terra, os purismos em demasia já fartam.
Em Angra, a doidura pelos sobrados de madeira, já deu resultados.
Anda tudo infestado de térmitas e a factura, a uns ou a nós todos, está a chegar.

A torre Eifel quando foi feita também foi alvo de impropérios arquitectónicos. Hoje é o ex-libris de Paris.

Este prédio, por muito feio que pareça, é um arejo no estilo copião e novo rico que campeia no Porto Martins.

jobé said...

bem, de arejado, parece-me que tem pouco. uma vez que está literalmente encaixado entre a estrada visconde de porto martim, e a igreja e casas do largo comendador pamplona. se calhar, devia-se deitar abaixo essa mesma igreja e casas centenárias para o novo ex-libris do porto martins poder respirar.